quarta-feira, 11 de julho de 2012

Vegetarianismo e Corrida

Sou fã de esportes e pratico a corrida de rua desde 2007, menos tempo que o começo do meu vegetarianismo! É claro que me preocupo com minha alimentação e sempre procuro me alimentar bem sempre, evitando gorduras, frituras, junk food no geral, e talvez por isso nunca senti falta alguma do "mito da proteína", tão comum nas conversas com esportistas.

Há inúmeros exemplos vegetarianos e veganos que comprovam que sim, é possível consumir a quantidade necessária de proteínas por fontes vegetais e ter um ótimo desempenho na prática esportiva!

Pqra quem gosta e usa o Facebook, segue um grupo que recomento:
http://www.facebook.com/groups/164918510235411/" target="_blank">Veggie Runners

E segue abaixo o texto da matéria que saiu na EXAME sobre corrida e vegetarianismo:





São Paulo - Será que dá para riscar a carne do cardápio do corredor — e até todos os alimentos que têm origem animal, como ovos, leite e derivados, como fazem os chamados “vegans”? E é possível fazer isso sem prejudicar a disposição e o desempenho na corrida? Essa é uma questão complexa, e não há consenso entre os nutricionistas.

Certo é que o corredor vegetariano deve tomar cuidados especiais. Não pode, por exemplo, apenas substituir o bife por massa e batata. Essa dieta desbalanceada traria deficiência de proteína, ferro, cálcio, zinco e vitamina B12, nutrientes essenciais para um esportista. É preciso encontrar novas fontes para essas substâncias.

O corredor Dárcio Joel Ferreira dos Santos, de 34 anos, parou de comer carne há nove anos. Ele é lactovegetariano — não come nem carne nem ovos, mas ingere leite e derivados — e já encarou pedreiras como o Desafio Praias e Trilhas, ultramaratona de 84 km em Florianópolis. “Nunca passei mal e meu rendimento é bom”, afirma o atleta, que consultou uma nutricionista.

Ele conta que sempre come um alimento do grupo das leguminosas (o feijão, por exemplo) com um cereal (o arroz). “Isso aumenta o nível de proteína no organismo”, diz. Sua cesta básica inclui soja e derivados, grão-de-bico, quinua, além de muitas frutas, verduras e queijo.

A nutricionista Fabiana Honda, especialista em fisiologia do exercício pela Unifesp, diz que a dieta vegetariana, se bem administrada e monitorada, pode trazer benefícios. “Em geral, ela possui maior quantidade de frutas, verduras, fibras e antioxidantes, o que melhora o equilíbrio do corpo e aumenta a longevidade”, afirma.

O corredor não-carnívoro deve também adequar a dieta a seu tipo de treinamento. Uma planilha preparatória para uma prova de 10 km, por exemplo, pede doses de carboidratos e proteínas diferentes daquelas necessárias a um plano de maratona. “O consumo de carne não é essencial, basta o atleta ter informação e saber fazer as adaptações corretas”, afirma o nutricionista George Guimarães,

Atenção

Atletas ou não, as mulheres devem consumir mais ferro. “Por causa do ciclo menstrual, elas tendem a perder mais do mineral que os homens”, afirma Murilo Dáttilo, nutricionista do Centro de Estudos em Psicobiologia e Exercício da Unifesp.

Nenhum comentário:

Postar um comentário